segunda-feira, 14 de abril de 2014

COMO SURGIRAM AS LETRAS DO ALFABETO

A paz de Cristo Jesus! Eu, Mary Busson, tenho um tema incrível para apresentar a vocês hoje: a origem  do alfabeto! Como educadora, a importância das letras e da escrita é imprescindível não só para aqueles que aprendem, ensinam e usam, mas para toda 
humanidade.
Com isso, por meio de uma pequena pesquisa, resolvi falar um pouco mais sobre isso. 
Deveras, vamos lá?
Provavelmente o surgimento das tais letrinhas tenha-se dado no Egito, um milênio depois da história da escrita. Como vcs, meus irmãos em Cristo Jesus, conhecendo a Bíblia, sabem que o Egito era o império mais forte da antiguidade (os israelitas foram inclusive escravizados pelo Egito, mas isso já é outra história) o primeiro alfabeto consonantal data 2000 a. C. o idioma dos trabalhadores semitas (como os hebreus, por exemplo)  influenciados pela escrita hierática egípcia. Mas o alfabeto "real" foi, na verdade, o alfabeto grego, pois as representações eram realmente letras (com consoantes e vogais) e não desenhos, por exemplo. Mas, mesmo o tal alfabeto grego teve origem do fenício (seguidores da Bíblia, aqui mais um ponto que vocês conhecem, a Fenícia, da terra da Canaã) "que na realidade era um abajad - um sistema no qual cada símbolo representa uma consoante" e é por causa deles que o alfabeto latino veio a ser mais usado, pelo que se sabe (o alfabeto grego originou o itálico antigo e romano). 







segunda-feira, 7 de abril de 2014

BONECAS DE PAPEL!

A boneca de papel é um brinquedo muito antigo que foi, durante 2 séculos, um brinquedo de baixo custo, acessível até para as camadas mais pobres da sociedade nesse período. As figuras são recortadas juntamente com roupas e acessórios, cortados separadamente. O motivo de, eu, Mary Busson, estar postando uma matéria a respeito desse brinquedo tão antigo e tão simples, é nada mais nada menos do que um vislumbre da minha infância feliz! Feliz, também por causa das tais bonecas de papel que fizeram parte dela. Então, resolvi que nesta nova postagem, iria lembrar a mim mesma e a todos os meus acompanhantes e leitores abençoados, a importância e a história desse brinquedo. E, se vocês pais, leitores deste blog, em nome de Jesus, estão INTIMADOS a mostra-lo as suas filhas e até mesmo filhos, viciados em tecnologia, ok? Hahahaha, é brincadeira! Ah, e se vc internauta, por acaso, também brincou com as bonequinhas de papel, se quiser, pode fazer um comentário abaixo da postagem de hoje!
Deveras, vamos começar?


Segundo a história, com o surgimento do papel é que as bonecas se originaram. Mas não eram as "bonecas de papel" que conhecemos hoje. Eram apenas figuras, e primeiramente, foram encontradas em rituais e cerimônias asiáticas, como no Japão por exemplo ( uma figura parecida com um kimono, pois convém saber que é uma espécie de "roupão" um tipo de veste muito tradicional no país, foi lançado em um barco) fantoches em Bali, no Oriente existem registros de muitas bonecas feitas, porém de outra maneira, tridimensionais. Mas como mencionado, essas figuras não cabiam na definição de "boneca de papel" porque não possuíam roupas e afins para recorte.


As primeiras bonecas reais, foram encontradas em grandes cidades como Viena, Berlim, Londres e Paris. Elas eram pintadas a mão e trajes criados para o divertimento dos adultos ricos. Acredita-se que elas foram feitas para mostrar as formas reais, ou como sátira sócio-política, enfim. Já em 1791 a então chamada  boneca inglesa foi inventada, essa, uma definição mais apropriada de uma boneca de papel. "Era uma figura de uma jovem, com oito polegadas de altura, com um guarda-roupa completo de roupa íntima, acessórios para cabelos e seis conjuntos de roupa completos. Bonecas semelhantes a esta foram vendidas também na Alemanha. As bonecas de papel só passaram a ser produzas em larga escala e para as camadas mais populares no início do século XX"

E, nesse último, em de 1900 a 1950 houve o auge de popularidade do brinquedo (tido em muitas revistas femininas e infantis) a primeira boneca de papel oficialmente foi datada em 1810 em Londres, Inglaterra, e seu criador foi S&J Fuller, e chamava-se Little Fanny.
Bonecas de pessoas famosas também foram retratadas, eram muito valiosas e tidas como verdadeiras raridades, como a bailarina Marie Taglioni, nos anos 1830.
A boneca de papel era em suma, feita de traços simples. Estudiosos atribuem o surgimento da boneca Barbie em 1960 à queda da boneca de papel, no entanto, é importante frisar que as bonecas de papel da Barbie e de seus parceiros eram muito populares e foram amplamente comercializados (até o dia de hoje).



Eu ajuntei uma entrevista com alguns professores que brincaram com as bonecas de papel, confira:
SHIRLEY: Gostava de brincar com bonecas que tivessem roupinhas variadas.
MARIA DAS DORES: Brincava com as bonecas na escola. As bonecas que eu brincava eram proporcionais, cabeça e corpo.
FABIANE: Brincava com bonecas de papel em casa, elas eram proporcionais, mas não as comprava e sim as confeccionava, tanto as bonecas quanto as roupinhas!
MARY BUSSON: Eu amava brincar de bonecas de papel, as primeiras bonecas lembro que eu recortava de um livro de capa verde, e muitas outras bonecas eu comprava na banca de revista! Detalhe: eu gostava das bonecas que tinham a cabeça bem grande!



Para concluir: a importância e o legado que as bonecas de papel deixaram para as diversas gerações, não só em minha infância, mas também nos dias de hoje, em que a boneca é digitalizada e está presente na internet e em revistas infantis (principalmente as princesas Disney que são muito queridas entre as crianças!) não se trata somente de diversão, mas imaginação e estimulo à criatividade e escolha que as crianças desenvolvem através deles!

segunda-feira, 24 de março de 2014


A IMPORTÂNCIA DA LEITURA E O MANUSEIO DO LIVRO NO MUNDO VIRTUAL
As crianças deste século pouco se diferem das crianças de antigamente, se não levássemos em conta a educação que recebem. Mas levamos. E como levamos! Eu, como professora há nada mais nada menos que 20 anos, reconheço a importância que a educação tem desde a antiguidade (porque o modo que somos educados reflete nos nossos relacionamentos pessoais, na cultura, no lazer, no trabalho e até espiritualmente falando, aleluia!) e, mais especificamente, gostaria de tratar de um assunto específico: a leitura no mundo globalizado e conectado virtualmente que conhecemos hoje. E, como educadora, deixe-me mostrar um fato relativamente preocupante para aquelas pessoas que só ligam para números e estatísticas: nossas crianças não leem. Como assim, não leem. "Ah, mas o meu filho lê!" seu filho provavelmente é um fruto da educação que recebeu na igreja, dentro de casa, ou é, acredite, independente e procurou por si mesmo sua educação dentro de uma coisa maravilhosa chamada livro. Seu filho é uma exceção. 
Apresentei o problema, mas como entendê-lo e resolvê-lo? Deixe-me dizer uma coisa antes: pro meu bem espiritual, não me apego ao racionalismo, simples assim. Eu tenho fé. Porém em algumas poucas coisas é necessário que nós raciocinemos já que o próprio Senhor Jesus nos dá base para fazê-lo. 
A Bíblia diz:

 "Ensina a criança o caminho que deve andar e ainda quando for velho, não se desviará dele.” Provérbios 22:6


 Está vendo? A própria educação é a raiz do problema. Não sou excessivamente moralista, não me julguem, não é isso. Porém, o século XXI, e não somente os homens deste tempo, mas o inimigo por meio deles, tem enchido a cabeça de nossas crianças com o que é divertido, fútil, pobre espiritualmente e educacionalmente. Sem usar de hipocrisia, pois utilizo da internet também, apenas levanto um ponto muito importante: as crianças deixaram os livros clássicos e contemporâneos, infantis e não somente elas, mas os adolescentes, jovens, adultos, idosos. Elas são tentadas por uma outra realidade que parece bonita, mas é enganosa. Essa é a internet e a TV. Repito que não estou criticando a internet, pelo contrário. A rede possibilitou muitas coisas boas como os livros online, por exemplo. Porém nada é igual ao livro. Seja a Bíblia, seja a velha história fascinante do Pequeno Príncipe e do Peter Pan, ou do Sítio do Picapau Amarelo e tantas outras histórias que, na infância, proporcionaram para crianças, independente de sua geração, curiosidade, sonhos, criatividade, alegria (e não o divertimento momentâneo) conhecimento e até de certo modo, o alimento. Assim como a Palavra nos alimenta, os livros encantam de um modo que nada online, sejam redes sociais, bate-papos, música popular (muitas vezes vulgar e ofensiva) o dia-a-dia das celebridades e afins. Pergunte à uma criança, um adolescente, um jovem, um adulto, um idoso comum de nosso século e que teve oportunidade de desfrutar desse mundo maravilhoso que os pequeninos estão sendo privados (e acredite, por falta de instrução!) se eles já ouviram falar de Ana Maria Machado, Ruth Rocha, Sylvia Orthof, Monteiro Lobato, os irmãos Grimm, J. M. Barrie e tantos outros? Você irá se surpreender. No entanto, quem tem fé, tem tudo. Se salvarmos nossas crianças com a repreensão e a educação que necessitam, mais tarde, elas irão ser jovens e adultos amantes da leitura, e quem sabe, irão inspirar mais e mais crianças com contos e histórias como foram inspiradas quando eram pequenas. 
A paz de Jesus Cristo!
















https://www.facebook.com/mary.busson.1
TODAS AS CRIANÇAS CONTEMPLADAS COM AS DOAÇÕES DO PROJETO DOAR:



















quinta-feira, 20 de março de 2014

DOADORES DO PROJETO DOAR 2013


CONSEGUIMOS ARRECADAR 54 BRINQUEDOS ONDE MUITAS CRIANÇAS CARENTES FORAM CONTEMPLADAS! DE CORAÇÃO AGRADECEMOS CADA DOADOR QUE PARTICIPOU DO PROJETO DOAR 2013. CONTAMOS COM OS MESMOS E MUITOS OUTROS PARA A CAMPANHA DO PROJETO DOAR 2014 QUE ACONTECERÁ APÓS A COPA. A META PARA ESTE ANO É QUE TRIPLIQUEMOS AS DOAÇÕES. DEIXAMOS CLARO TAMBÉM, QUE ESTA NOVA CAMPANHA CONTEMPLARÁ UMA CRECHE QUE SERÁ ESCOLHIDA MINUCIOSAMENTE POR MARY BUSSON E EQUIPE. 
]